Vendas – Quando vale o básico bem feito

Parece papo de velho. Talvez até seja, mas estamos esquecendo de fazer o básico para garantir resultados consistentes.

Mas deixa eu explicar melhor. Não estou escrevendo isso para falar de como eram as vendas no meu tempo, pois apesar de não ser um Webativista como meu amigo Gil Giardeli (o qual sou fã) acredito que a tecnologia veio para nos ajudar e muito a área comercial e facilitou demais a vida do vendedor e de todos envolvidos na área comercial. Mas o problema acontece quando deixamos de fazer o básico para ficar pilotando um monte de planilhas, gadgets de monitoramento, números, leads e indicadores, incluímos tudo como prioridade em nosso dia a dia, e ainda adicionamos um monte de siglas e nomes em inglês (as vezes para conversar com uma equipe que mal consegue escrever em português) e acabamos por burocratizar o processo de tal forma que vai matando os nossos resultados aos poucos.

Na minha opinião, menos KPIs e mais metas simples (3 a 5 no máximo), menos leads, suspects, prospects e mais ligações e visitas, vamos tentar diminuir a quantidade de segmentos atendidos e valorizar um pouco mais as rotas traçadas por delimitação geográfica (menos deslocamento e mais eficiência para o vendedor), antes das super campanhas para motivação, vamos garantir que o seu vendedor tenha equipamento básico para o trabalho de campo.

Vamos voltar ao básico e crescer com consistência.

2018-01-15T23:39:13+00:00 15/01/2018|Vendas e Desenvolvimento de Pessoas|